Você está aqui: Página Inicial > Legislação > Ajustes SINIEF > 1989 > AJUSTE SINIEF 14/89

AJUSTE SINIEF 14/89

AJUSTE SINIEF 14/89

  • Publicado no DOU de 30.08.89.
  • Altera dispositivos do Convênio SINIEF 06/89, de 21.02.89.

    O Ministro da Fazenda e os Secretários de Fazenda ou Finanças dos Estados e do Distrito Federal, na 57ª Reunião Ordinária do Conselho de Política Fazendária, realizada em Brasília, DF, no dia 22 de agosto de 1989, tendo em vista o disposto no artigo 199 do Código Tributário Nacional, resolvem celebrar o seguinte

    AJUSTE

    Cláusula primeira

    Passam a vigorar com a seguinte redação os dispositivos adiante enumerados do Convênio SINIEF 06/89 , de 21 de fevereiro de 1989:

    I - os incisos V e X do artigo 1º:

    "V - Conhecimento Aéreo, mod. 10;

    X - Bilhete de Passagem e Nota de Bagagem, mod. 15.";

    II - o artigo 10:

    "Art. 10. A Nota Fiscal de Serviço de Transporte, modelo 7, será utilizada:

    I - pelas agências de viagem ou por quaisquer transportadores que executarem serviços de transporte intermunicipal, interestadual e internacional de turistas e de outras pessoas, em veículos próprios ou afretados;

    II - pelos transportadores de valores, para englobar, em relação a cada tomador de serviço, as prestações realizadas, desde que dentro do período de apuração do imposto;

    III - pelos transportadores ferroviários de cargas, para englobar, em relação a cada tomador de serviço, as prestações executadas no período de apuração do imposto;

    IV - pelos transportadores de passageiros, para englobar, no final do período de apuração do imposto, os documentos de excesso de bagagem emitidos durante o mês, nas condições do artigo 67.

    Parágrafo único. Para os efeitos do inciso I, considera-se veículo próprio, além do que se achar registrado em nome da pessoa, aquele por ela operado em regime de locação ou qualquer outra forma.";

    III - o § 2º do artigo 12:

    "§ 2º Nos casos de excursões com contratos individuais, será facultada a emissão de uma única Nota Fiscal de Serviço de Transporte, nos termos dos artigos 13 e 14, por veículo, hipótese em que a 1ª via será arquivada no estabelecimento do emitente, a ela sendo anexada, quando se tratar de transporte rodoviário, a autorização do DER ou DNER.";

    IV - o parágrafo único do artigo 13:

    "Parágrafo único. Relativamente ao documento de que trata este artigo, nas hipóteses dos incisos II a IV do artigo 10, a emissão será em no mínimo 2 (duas) vias, que terão a seguinte destinação:

    I - a 1ª via será entregue ao contratante ou usuário nos casos dos incisos II e

    III, e permanecerá em poder do emitente no caso do inciso IV;

    II - a 2ª via ficará fixa ao bloco para exibição ao fisco.";

    V - o parágrafo único do artigo 14:

    "Parágrafo único. Relativamente ao documento de que trata este artigo, nas hipóteses dos incisos II a IV do artigo 10, a emissão será em no mínimo 2 (duas) vias, que terão a seguinte destinação:

    I - a 1ª via será entregue ao contratante ou usuário nos casos dos incisos II e

    III, e permanecerá em poder do emitente no caso do inciso IV;

    II - a 2ª via ficará fixa ao bloco para exibição ao fisco.";

    VI - o § 3º do artigo 17:

    "§ 3º O transportador que subcontratar outro transportador para dar início à execução do serviço, emitirá Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas, fazendo constar no campo "Observações" deste ou, se for o caso, do Manifesto de Carga, a expressão: "Transporte subcontratado com ......, proprietário do veículo marca ......, placa nº........., UF......";

    VII - o § 4º do artigo 17, na redação dada pelo Ajuste SINIEF 07/89, de 29 de maio de 1989:

    "§ 4º No transporte de carga fracionada, assim entendida a que corresponde a mais de um conhecimento de transporte, serão dispensadas as indicações do inciso X e do § 3º deste artigo, bem como as vias dos conhecimentos mencionadas no inciso III do artigo 19 e a via adicional prevista no artigo 20, desde que seja emitido o Manifesto de Carga, mod. 25, por veículo, antes do início da prestação do serviço, o qual deverá conter, no mínimo, as seguintes indicações:

    I - a denominação "Manifesto de Carga";

    II - o número de ordem;

    III - a identificação do emitente: o nome, o endereço e os números de

    inscrição estadual e CGC;

    IV - o local e a data da emissão;

    V - a identificação do veículo transportador: placa, local e unidade da Federação;

    VI - a identificação do condutor do veículo;

    VII - os números de ordem, as séries e subséries dos conhecimentos de transporte;

    VIII - os números das notas fiscais;

    IX - o nome do remetente;

    X - o nome do destinatário;

    XI - o valor da mercadoria.";

    VIII - o artigo 19:

    "Art. 19. Na prestação de serviço de transporte rodoviário de cargas para destinatário localizado no mesmo Estado, o Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas será emitido, no mínimo, em 4 (quatro) vias, que terão a seguinte destinação:

    I - a 1ª via será entregue ao tomador do serviço;

    II - a 2ª via acompanhará o transporte até o destino, podendo servir de comprovante de entrega;

    III - a 3ª via terá o destino previsto na legislação do Estado do emitente;

    IV - a 4ª via ficará fixa ao bloco para exibição ao fisco.";

    IX - o artigo 20:

    "Art. 20. Na prestação de serviço de transporte rodoviário de cargas para destinatário localizado em outro Estado, o Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas será emitido com uma via adicional (5ª via), que acompanhará o transporte para fins de controle do fisco do destino.

    Parágrafo único. Nas prestações de serviço de transporte de mercadorias abrangidas por benefícios fiscais, com destino à Zona Franca de Manaus, havendo necessidade de utilização de via adicional de Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas, esta poderá ser substituída por cópia reprográfica da 1ª via do documento.";

    X - o artigo 25:

    "Art. 25. Na prestação de serviço de transporte aquaviário, para destinatário localizado no mesmo Estado, será emitido o Conhecimento de Transporte Aquaviário de Cargas, no mínimo, em 4 (quatro) vias, que terão a seguinte destinação:

    I - a 1ª via será entregue ao tomador do serviço;

    II - a 2ª via acompanhará o transporte até o destino, podendo servir de comprovante de entrega;

    III - a 3ª via terá o destino previsto na legislação do Estado do emitente;

    IV - a 4ª via ficará fixa ao bloco para exibição ao fisco.";

    XI - o artigo 26:

    "Art. 26. Na prestação de serviço de transporte aquaviário, para destinatário localizado em outro Estado, o Conhecimento de Transporte Aquaviário de Cargas será emitido com uma via adicional (5ª via), que acompanhará o transporte para fins de controle do fisco do destino.

    Parágrafo único. Nas prestações de serviço de transporte de mercadorias abrangidas por benefícios fiscais, com destino à Zona Franca de Manaus, havendo necessidade de utilização de via adicional de Conhecimento de Transporte Aquaviário de Cargas, esta poderá ser substituída por cópia reprográfica da 1ª via do documento.";

    XII - o artigo 30:

    "Art. 30. O Conhecimento Aéreo, mod. 10, será utilizado pelas empresas que executarem serviços de transporte aeroviário intermunicipal, interestadual e internacional de cargas.";

    XIII - o inciso I do artigo 31:

    "I - a denominação: "Conhecimento Aéreo";"

    XIV - o § 3º do artigo 31:

    "§ 3º O Conhecimento Aéreo será de tamanho não inferior a 14,8 x 21,0 cm.";

    XV - o artigo 32:

    "Art. 32. O Conhecimento Aéreo será emitido antes do início da prestação do serviço.";

    XVI - o artigo 33:

    "Art. 33. Na prestação de serviço de transporte aeroviário de cargas, para destinatário localizado no mesmo Estado, será emitido o Conhecimento Aéreo, no mínimo em 3 (três) vias, com a seguinte destinação:

    I - a 1ª via será entregue ao tomador do serviço;

    II - a 2ª via acompanhará o transporte até o destino, podendo servir de comprovante de entrega;

    III - a 3ª via ficará fixa ao bloco para exibição ao fisco.";

    XVII - o art. 34:

    "Art. 34. Na prestação de serviço aeroviário de cargas para destinatário localizado em outro Estado, o Conhecimento Aéreo será emitido com uma via adicional (4ª via), que acompanhará o transporte para fins de controle do fisco do destino.

    Parágrafo único. Nas prestações de serviço de transporte de mercadorias abrangidas por benefícios fiscais, com destino à Zona Franca de Manaus, havendo necessidade de utilização de via adicional de Conhecimento Aéreo, esta poderá ser substituída por cópia reprográfica da 1ª via do documento.";

    XVIII - o artigo 35:

    "Art. 35. Nas prestações internacionais poderão ser exigidas tantas vias do Conhecimento Aéreo quantas forem necessárias para o controle dos demais órgãos fiscalizadores.";

    XIX - o artigo 36:

    "Art. 36. No transporte internacional o Conhecimento Aéreo poderá ser redigido em língua estrangeira, bem como, os valores expressos em moeda estrangeira, segundo acordos internacionais.";

    XX - o artigo 51:

    "Art. 51. O Bilhete de Passagem e Nota de Bagagem, modelo 15, será utilizado pelos transportadores que executarem transporte aeroviário intermunicipal, interestadual e internacional de passageiros.";

    XXI - o inciso I e o parágrafo 2º do artigo 52:

    "I - a denominação: "Bilhete de Passagem e Nota de Bagagem";"

    § 2º O Bilhete de Passagem e Nota de Bagagem será de tamanho não inferior a 8,0 x 18,5 cm.";

    XXII - o caput do artigo 53:

    "Art. 53. O Bilhete de Passagem e Nota de Bagagem será emitido antes do início da prestação do serviço.";

    XXIII - o caput do artigo 54:

    "Art. 54. Na prestação de serviço de transporte aeroviário de passageiros, o Bilhete de Passagem e Nota de Bagagem será emitido no mínimo em 2 (duas) vias, que terão a seguinte destinação:"

    XXIV - a alínea "b" do inciso I do artigo 59:

    "b) anexará a 2ª via do conhecimento de transporte emitido na forma da alínea anterior, à 2ª via do conhecimento de transporte que acobertou a prestação do serviço até o seu estabelecimento, as quais acompanharão a carga até o seu destino;"

    XXV - o caput do artigo 60:

    "Art. 60. No caso de transporte de cargas, a empresa transportadora que contratar transportador autônomo para complementar a execução do serviço, em meio de transporte diverso do original, cujo preço tenha sido cobrado até o destino da carga, poderá emitir em substituição ao conhecimento apropriado, o "Despacho de Transporte", modelo 17, que conterá, no mínimo, as seguintes indicações:"

    XXVI - o artigo 67:

    "Art. 67. Nos casos de transporte de passageiros, havendo excesso de bagagem, a empresa transportadora poderá emitir em substituição ao conhecimento próprio, documento de excesso de bagagem que conterá, no mínimo, as seguintes indicações:

    I - a identificação do emitente: o nome, o endereço e os números de inscrição estadual e no CGC;

    II - o número de ordem e o número da via;

    III - o preço do serviço;

    IV - o local e a data da emissão;

    V - o nome, o endereço e os números de inscrição estadual e no CGC do impressor do documento, a data e a quantidade de impressão e o número de ordem do primeiro e do último documento impresso.

    § 1º As indicações dos incisos I, II e V serão impressas.

    § 2º Ao final do período de apuração será emitida Nota Fiscal de Serviço de Transporte, modelo 7, englobando as prestações de serviço documentadas na forma deste artigo.

    § 3º No corpo da Nota Fiscal de Serviço de Transporte será anotada, além dos requisitos exigidos, a numeração dos documentos de excesso de bagagem emitidos."

    XXVII - o artigo 68:

    "Art. 68. O documento de excesso de bagagem será emitido antes do início da prestação do serviço, no mínimo, em 2 (duas) vias, que terão a seguinte destinação:

    I - a 1ª via será entregue ao usuário do serviço;

    II - a 2ª via ficará fixa ao bloco para exibição ao fisco."

    XXVIII - o caput do artigo 86:

    "Art. 86. Até 31 de dezembro de 1989, os contribuintes que operem com substâncias minerais, combustíveis líquidos e gasosos, energia elétrica e os prestadores de serviço de transporte e de comunicação poderão utilizar os documentos já confeccionados e atualmente em uso, devendo fazer constar nos mesmos as indicações relativas à base de cálculo do ICMS, à alíquota aplicável e ao destaque do imposto devido, se for o caso."

    Cláusula segunda

    Este Ajuste entra em vigor na data da sua publicação no Diário Oficial da União.

    Brasília, DF, 22 de agosto de 1989.